Napoleon_near_Borodino_(Vereshagin)_-_detail

Obertura 1812 de Tchaikovsky, os canhões na batalha de Borodino.

Em 1812 os exércitos Napoleônicos tinham invadido a Rússia, algum tempo depois estavam as portas de Moscou. O Czar decide que não pode ceder mais terreno e coloca seu exercito a pouco mais de 100 kms da capital, mais de 100 mil homens e 600 canhões para deter Napoleão na famosa batalha de Borodino.

Os Russos perderiam aquela batalha, porém causaram tantas baixas no exército inimigo que junto a outros fatores, obrigaram Napoleão a se retirar.

Quase 70 anos depois o Czar da Rússia pediria a Tchaikovsky uma composição para comemorar o aniversário daquela batalha junto ao aniversário da coroação do Czar.

Falando da obertura 1812, ela é uma peça de tipo nacionalista, que exalta o caráter russo, com conteúdo folclórico em sua música. Nesta peça podemos notar uma parte do hino da França, “La Marseillaise”, que representa a vitória francesa na batalha, porém esta parte é confrontada com um final épico que simboliza a revanche russa onde podemos ouvir o indiscutível som dos canhões.

Quando a obertura 1812 é executada em lugares abertos são usados peças de artilharia reais, já em salas fechadas os canhões são substituídos por tambores.

Aqui deixo uma interpretação desta abertura, porem somente a parte final, aonde já no começo nos podemos apreciar uma parte do hino francês.

O som de batalha que é característico da Obertura 1812 e o caráter vitorioso da composição fez com que fosse escolhida para o famoso filme V de Vingança. Neste filme a Obertura 1812 é peça simbólica central. Veja no vídeo.

Aparece também logo no começo do filme. Para quem quer ir direto na música, ela começa aos 1:40.

Se você gostou desse post deixe seu comentário abaixo ou compartilhe. Nos ajude a divulgar a Cultura Clássica.
  • Aline Portilho

    Impressionante, e a gente percebe bem a tristeza na derrota para os franceses e como a euforia “toma conta” por ter conseguido o que queria, Napoleão fora da Rússia.

    • Exato, e a parte que os sinos das igrejas estão soando, antigamente em caso de guerra as igrejas paravam de tocar os sinos, e só tocavam se fosse uma emergência (para avisar de ataques) ou para comemorar o fim da guerra.

  • JÁ TIVE A RARA OPORTUNIDADE DE ASSISTIR EM CAMPO ABERTA A MAGNÍFICA APRESENTAÇÃO DESTA OBRA GRANDIOSA, A “1812”. A EMOÇÃO FOI DEMAIS! PARABÉNS PELO BLOG !!

    • Seja bem-vindo! Obrigado pelo comentário.

      Eu já vi diferentes apresentações ao vivo, nunca da “1812” o que é uma pena.

  • Toni Escalante

    LAGRIMAS NOS OLHOS, ACHO QUE ESTAVA NO CAMPO DE BATALHA !