Um ataque de cavalaria na ópera Guilherme Tell!

O “Finale” da obertura desta grande ópera de Rossini é épico e tenho certeza absoluta que você já escutou muito em séries de TV, desenhos animados, publicidade e filmes.

Esta parte da obertura da ópera era a música de apresentação da velha série de TV “Lone Ranger” do qual hoje saiu um filme com o mesmo nome estrelado pelo Jhonny Depp. Eu de criança assistia e ficava impressionado com as cenas de cavalgada com essa música como fundo. Por isso no titulo exagerei um pouco, mas é que realmente lembra muito um ataque de cavalaria e é épico!

Falando sobre a ópera, ela é bem interessante em vários aspectos. Tinha mais de 4 horas de música! Isto faz com que as apresentações modernas desta ópera sejam severamente recortadas. Também é uma ópera com um tema tipicamente revolucionário, então estas óperas foram uma forma de protesto da época contra as monarquias e a ordem estabelecida. Guilherme Tell é um herói nacional na Suíça, símbolo da revolução contra o império Austríaco dos Habsburgos.

No século XIV, conta a lenda que governava no cantão da suíça um funcionário austríaco, e que este teria colocado um chapéu na praça pública e fazia que as pessoas que passavam pelo local tirassem o próprio chapéu em sinal de respeito. Não precisa falar que isto era humilhante para o povo obviamente. Certo dia Guilherme Tell passava pela praça e não fez a saudação, pelo qual foi capturado na hora. O governador, conhecendo que ele era exímio no uso da besta, colocou como castigo que deveria atingir uma maçã colocada na cabeça do seu filho a 15 passos de distancia com uma flecha. Se o fizesse ficaria livre e pouparia sua vida. O povo se juntou na praça para ver, Tell atiraria e acertaria a maçã, o que gerou um entusiasmo geral. O governador ao chegar perto de Tell viu que ele tinha uma outra flecha, perguntou porque. Tell disse que se caso ele matasse o próprio filho, ele iria matar-lo com aquela flecha. Ele seria preso, e depois de vários acontecimentos, Tell acaba matando o governador, o que segundo a lenda, marcaria o inicio da revolução Suíça.

Imagina que na Europa do século XIX, que ainda tremia com as consequências das revoluções republicanas como a francesa, nenhuma monarquia queria escutar uma ópera sobre Guilherme Tell. Isto fez com que a ópera fosse pouco encenada no começo.

A obertura é uma peça magnífica, muito linda, vou por aqui dois vídeos, o primeiro com o “finale” da obertura. O segunda com a obertura completa.

Um bonus para finalizar, a abertura da série de TV “Lone Ranger”! Você pode ver-la clicando aqui.