O Danúbio Azul e uma viagem as origens da Valsa

Quem diria que algo tão distinguido como a valsa teve que ascender na escala social para ser considerado elegante. Pois saiba que nos inícios dançar valsa era inadequado para senhoritas, algo assim como uma dança proibida. Vamos conhecer mais da Valsa e do maior representante, o Danúbio Azul.

Origem

A origem vem do gaélico “valses”, passando pela deformação da palavra alemã “walzer” que por sua vez vem do verbo alemão “walzem” que seria algo assim como “girar” ou “rodar” (lembra um pouco o rock & roll). Nasceu no seculo XII no sul da Alemanha como uma dança lenta com influenças do Tirol da Áustria.

Durante o seculo XVIII a valsa foi se popularizando ate que nos anos 1780 foi adotado ate pela nobreza de Viena. Rapidamente passou a outros países, principalmente logo apos ser introduzido nas operas. Este tipo de dança nasceu como algo imoral, já que os dançarinos se abraçavam. Algo parecido aconteceu com o Tango mais tarde. Foi a alta sociedade que apropriando-se da dança, a transformou em algo “elegante”.

Dança imoral

Mesmo sendo muito popular, a porção conservadora da sociedade criou oposição forte. Uma dança onde os dançarinos se abraçassem não era muito bem visto. Alias, as danças da época eram uma combinação de complicadas coreografias onde os dançarinos apenas tocavam-se as mãos.

Em 1818, Madame de Genlis que era governanta do futuro rei Luis Felipe da França, disse que a valsa iria estragar toda uma geração de jovens. Ainda alguns anos mais tarde apareceria um manual britânico de “bons costumes” que recomendava que a valsa fosse dançada só por mulheres casadas. A valsa era segundo eles, muito imoral para senhoritas.

Ainda bem que as ondas de mudança são avassaladoras de toda resistência ou conservadorismo.

O Danúbio Azul

O Danúbio Azul foi inspirado num poema de Karl Beck. Strauss particularmente gostava da forma em que Beck descrevia a beleza de Viena (ou talvez de uma vienesa) as margens do Danúbio Azul.

Na sua estreia em 1867 a peça não teve aquele grande sucesso. Porem, semanas mais tarde quando da estreia em Paris teve um grande sucesso.

Hoje conhecemos o Danúbio Azul por ser uma peça musical, sem letra ou coral. Não foi sempre assim. Da fato a ideia original de Strauss era que o Danúbio Azul fosse interpretada pelo coral de homens de Viena. O problema foi mais histórico que prático. Na época o Império Austríaco vinha de perder uma grande batalha contra os Prussianos que relegou a Áustria na esfera de poder político dentro dos estados alemães. Dito de outra maneira, Áustria não estava de humor para este tipo de música.

De todas formas o que definiria ao Danúbio Azul foi uma gira pelos Estados Unidos, onde a versão orquestral seria um grande sucesso.

Mais para cá no tempo…

A valsa, e talvez o Danúbio Azul mais do nenhum outro, transformou-se na música inicial de todas as festas elegantes. Chegou a popularizar-se tanto que festas de casamento ou de 15 anos eram por costume abertas com a famosa dança.

Não era somente uma tradição, mas um toque de elegância, o que é interessante quando se conhece a origem humilde da dança.

Hoje em dia esta tradição está caindo em desuso cada dia mais, abrindo passo a novas tradições ou modas. Porém, o Danúbio Azul permanecerá como um símbolo mesmo sendo relegado.

Deixo vocês com o Danúbio Azul.

Até em Harry Potter renderam-se a tradição.